Aplicativos: saiba tudo sobre eles!

Saiba algumas formas de se produzir um app

É comum ouvirmos sobre aplicativos quase todos os dias. Eles estão presentes em nossa vida em tantos momentos que é quase impossível ficar indiferente e deixar de aproveitar a praticidade que eles acrescentam ao nosso cotidiano. Essenciais na hora de ouvir música, conversar com as pessoas, controlar sua dieta, publicar fotos ou apenas fazer listas. Existem inúmeras utilidades e categorias para eles – e é sobre as formas de produzir aplicativos móveis dessas diversas categorias que falaremos por aqui hoje.

Quando falamos de aplicativos voltados para aparelhos móveis hoje, podemos os dividir em duas macro categorias:

  • Aplicativos disponíveis nas lojas dos sistemas dos celulares que usamos (PlayStore, AppStore, Windows Store, etc);
  • Aplicativos disponíveis nos navegadores de internet do celular (web apps);

Diante disso, falaremos primeiro dos aplicativos disponíveis em navegadores, pois os usaremos para comparação quando formos falar dos aplicativos disponíveis para celular.

Aplicativos disponíveis nos navegadores

Tradicionalmente, aplicativos eram considerados peças de software feitas para rodar em um determinado sistema operacional (iOS, Android, etc). Esses aplicativos, normalmente, devem ser programados em uma linguagem específica para aquele sistema, tornando o reaproveitamento de código muito baixo. Na prática, isso significa um novo projeto para cada sistema que surgir.

Mas à medida que os sistemas foram evoluindo e seus navegadores se tornaram mais potentes, passou a ser possível usar tecnologias ligadas ao desenvolvimento de sites para criar interfaces que se comportam de forma similar às dos aplicativos nativos , inclusive possibilitando “instalar” (na prática isso seria favoritar o site como ícone) o web app direto em seu aparelho.

As principais diferenças entre um site tradicional e um web app são:

  • Web apps podem ser usados offline;
  • Web apps podem usar recursos de hardware do celular como geolocalização e câmera;

As principais diferenças entre um web app e um aplicativo:

  • Web apps têm uma performance inferior à de um aplicativo nativo;
  • Web apps não são baixados das lojas dos sistemas, devem ser favoritados como ícone;
  • Web apps podem ser atualizados sem que haja uma atualização feita pelas lojas de aplicativos;
  • Web apps funcionam em todos os aparelhos com navegadores modernos;

Dito isso, podemos partir para a segunda parte, que são os aplicativos de loja de sistema, aqueles que você baixa para usar no celular. Os aplicativos disponíveis nas lojas do sistema podem ser divididos em três categorias:

  • Aplicativos híbridos I
  • Aplicativos híbridos II
  • Aplicativos nativos

Antes de falar sobre cada uma dessas categorias, vale mencionar o porquê de haver dois tipos de aplicativos híbridos: o primeiro é muito parecido com um web app, porém com algumas funcionalidades nativas, já o segundo está mais para o lado dos apps nativos do que dos web apps.

Aplicativos híbridos I

Estes são bem similares aos Web Apps, inclusive no que se diz respeito à tecnologia, ambos são desenvolvidos com tecnologias de web (HTML5, CSS3, JavaScript). As grandes vantagens do aplicativo híbrido I são o fato de o aplicativo poder ser disponibilizado em loja, com acesso a partes do hardware do aparelho, como por exemplo o acelerômetro e tarefas de segundo plano (aquelas que acontecem quando você usa outro aplicativo e o primeiro ainda está aberto, mas escondido). Além disso, o app híbrido I tem acesso ao recebimento de push notifications e possui uma base de código comum para diversos sistemas operacionais, o que resulta em menor tempo de desenvolvimento caso o aplicativo seja para múltiplas plataformas.

Como desvantagem em relação aos aplicativos nativos , essa categoria apresenta performance bastante inferior e menor controle sobre o aparelho e seus recursos de hardware e sistema.

Aplicativos híbridos II

Estes estão mais próximos aos aplicativos nativos em relação à performance.

Entre as grandes vantagens dos aplicativos híbridos II estão uma performance mais próxima aos aplicativos nativos , a base de código comum para diversos sistemas, como Android e iOS, por exemplo, o acesso a quase todo o hardware do aparelho e também às push notifications, além de menor tempo de desenvolvimento em relação ao aplicativo nativo, caso este seja desenvolvido para mais de uma plataforma.

Como desvantagens em relação aos aplicativos nativos , apresentam menor controle sobre o hardware do aparelho e são limitados no sentido de aplicações que dependem de 3D, animações pesadas ou tarefas intensas de processamento, como por exemplo jogos, não serem viáveis.

Aplicativos nativos

Esta é sempre a melhor opção, caso haja tanto tempo hábil, quanto recursos para o desenvolvimento, pois resultará na melhor experiência possível para o usuário.

As grandes vantagens dos aplicativos nativos são o acesso à todo o hardware do aparelho, possibilitando ajuste fino relacionado à otimização, performance e animações.

Entre as desvantagens em relação às demais opções se pode citar o maior custo e tempo de desenvolvimento e a base de código atrelada ao sistema operacional - o que quer dizer que cada adaptação para um diferente sistema é praticamente um novo projeto.

Ficou claro? Se ainda tiver dúvidas, estamos aqui para isso!