❤ Alan Turing

Personagens Inspiradores: O pai da inteligência artificial

No início desse ano um filme chegou ao cinema recebendo muito destaque por seu enredo incomum. Estrelado pelo astro britânico Benedict Cumberbatch, O “Jogo da Imitação”, conta a incrível história de vida de um matemático que desvendou o código usado pelos alemães durante a Segunda Guerra. O mais interessante é saber que o filme é baseado em uma história real e que o trabalho desse matemático é a base de tudo que conhecemos hoje sobre computação. Estamos falando de Alan Turing, matemático, filósofo e pioneiro da computação. Conhecido como o pai da ciência computacional e da inteligência artificial, Turing conseguiu aplicar sua visão teórica na prática, resolvendo desafios do seu tempo e, assim, gravando seu nome na história.

Nascido em 23 de junho de 1912, Alan Mathison Turing dedicava-se a teoremas que podiam ser comprovados, e à Teoria da Computabilidade. Seu foco de estudo e trabalho era o que poderia ser alcançado através da computação e suas respostas iniciais para essa questão vieram sob a forma teórica. No decorrer da Segunda Guerra Mundial, Turing trabalhou para a inteligência britânica em Bletchley Park, num centro especializado em criptografia. Planejou uma série de técnicas para quebrar os códigos alemães, incluindo o método da bomba eletromecânica, uma máquina eletromecânica que poderia encontrar definições para a máquina Enigma.

Aos 24 anos de idade, consagrou-se com a projeção de uma máquina que, de acordo com um sistema formal, pudesse fazer operações computacionais. Mostrou como um simples sistema automático poderia manipular símbolos de um sistema de regras próprias. A máquina teórica de Turing pode indicar que sistemas poderosos poderiam ser construídos. Tornou possível o processamento de símbolos, ligando a abstração de sistemas cognitivos e a realidade concreta dos números. Isto é estudado até hoje por pesquisadores de sistemas com Inteligência Artificial (IA). Para comprovar a inteligência artificial ou não de um computador, Turing desenvolveu um teste que consistia em um operador não poder diferenciar se as respostas a perguntas elaboradas pelo operador eram vindas ou não de um computador. Caso positivo, o computador poderia ser considerado como portador de inteligência artificial. Foi então que a ideia de computabilidade começou a ser delineada.

Em 1952, enquanto aproveitava o prestígio conseguido através de seus feitos, Turing foi acusado de praticar “atos homossexuais”, então considerados criminosos na Grã Bretanha. Como punição, ele foi submetido à castração química, um procedimento que inibe os impulsos sexuais da pessoa conforme ela recebe injeções de estrogênio e com diversos efeitos colaterais. Sua carreira foi atingida de maneira irreversível, tendo seus privilégios de segurança concedidos após a Segunda Guerra cancelados e sendo impedido de continuar trabalhando para o governo. Dois anos após essa punição, Turing morreu aos 41 anos de envenenamento por cianeto. A morte é tida como suicido, mas não se descarta a hipótese de que foi acidental, um descuido causado pelo uso do elemento químico em experimentos caseiros conduzidos pelo matemático.

Por sua capacidade de imaginar o inimaginável e de colocar em prática teorias que jamais sairiam do papel ele é até hoje considerado um gênio. Suas descobertas e conquistas abriram caminho para que as gerações seguintes de pesquisadores desenvolvessem, adaptassem e melhorassem suas ideias, nos trazendo onde estamos hoje no campo da tecnologia e computação.

Saiba mais: